domingo, 11 de abril de 2010

Festival Catarinense da Juventude 2010

Campeonato Catarinense sub 16 e sub 18 de 2010, São Bento do Sul.

Florianópolis faz dois vice-campeões no FECAJ 2010


Christopher de Carvalho, com apenas 13 anos, sagrou-se vice-campeão catarinense sub 16, neste final de semana de 10 e 11 de abril, na cidade de São Bento do Sul. Com 05 pontos nas seis rodadas jogadas, Christopher empatou em número de pontos com o campeão, Guilherme Augustin, de Lages, perdendo o título nos critérios de desempate. Thauane Ferreira de Medeiros também atingiu o vice-campeonato na categoria sub16 feminino, ao fazer 05 pontos em seis possíveis.

Outros bons resultados foram registrados por Akauã Flores Arroyo, 4º lugar no sub 16 masculino, Amanda Paul Dull, 5ª no feminino sub 16, e Beatriz Sulzbacher Ramos, 6ª no feminino 18.

Registro também a boa organização do evento pela Associação de Xadrez de São Bento Sul, dirigida pelo Eduardo Sperb, e seus vários apoiadores. A Colegio Froebel serviu de alojamento e salão de jogos, e a alimentação era feita toda ali próxima do local. As rodadas começaram na hora. E no geral não há queixas que se possa observar.

Equipe quase completa: faltou o Christopher

quarta-feira, 31 de março de 2010

Depois das Chibatadas, um pouco de alegria...

Depois de jogar um torneio pensado muito forte, com adversários bem preparados, etc., nada mais confortável do que um torneio aberto rápido, em casa, para se jogar de forma mais descontraída e relaxada. Mais de 280 jogadores tomaram parte da I Etapa do Circuito Catarinense de Xadrez Rápido, da Federação Catarinense de Xadrez, aqui na cidade vizinha de São José.


Destaque para o recém-GM argentino, Sandro Mareco, que venceu o torneio cedendo apenas um empate para Haroldo Cunha dos Santos. Apesar das dezenas de fortíssimos jogadores na divisão superior, esse tipo de torneio é bem mais tranqüilo de se jogar.

Florianópolis teve participação expressiva, vencendo as categorias sub 14 masculina com Christopher de Carvalho e sub 18 feminina com Karoliny Taiane da Cruz. No absoluto, César Umetsubo fez um torneio impecável, chegando na última rodada com apenas um empate cedido ao MF Charles Gauche. Infelizmente acabou sucumbindo ao GM Mareco, e terminando em 7º no geral (6.5/8).

Eu fiz (6.0/8), bem como o Brandão, e terminamos em mais uma dobradinha. 13º e 14º. Isso já tinha se repetido na final do Estadual. Um dia agradável, e um torneio até bastante organizado, para o geral dessas etapas. Bom trabalho do pessoal do Clube de Xadrez de São José, e do árbitro Kaiser Luiz Mafra.

Resultado completo

Final do Catarinense 2010 – Parte 2 e definitiva.

Excelente torneio, muito boas condições oferecidas pela organização, rodadas nos horários, hotéis próximos e um salão de jogos quase sempre silencioso, embora um pouco frio por conta do ar condicionado. Uma parte dos jogadores não concorda com essa afirmação, e de forma alguma isso comprometeu qualquer coisa. O grupo de finalistas do masculino era composto realmente dos mais fortes jogadores de Santa Catarina, a parte as sentidas ausências de Alfeu Varela, Rodrigo Disconzi e Silvio Cunha Pereira.


A delegação de Florianópolis foi bem de uma forma geral. Os desempenhos mais fracos (Brandão e Pomar), ao menos atingiram 50%, e Mafra (5º), Umetsubo (4º) e Uczai (3º) atingiram excelentes colocações. A variação de rating foi bastante prejudicial pra mim, mas benéfica para os outros jogadores, sobretudo Uczai. Kaiser manteve o rating. Variação com detalhes no Blog do Brandão.
O Hotel era muito bom, a comida também, e havia uma banheira de imersão no quarto que era quase um ofurô. Fantástica para fumar um bom Cohiba! Só assim para esquecer algumas derrotas bastante sofridas pra mim. A maior delas para o ultra-resistente Marco Zaror Cordeiro. Se alguém um dia quiser pesquisar essa partida, vai entender.

Para completar a companhia era solidária, e a seleção de Floripa segue forte, rumo aos Jogos Abertos de Santa Catarina.

O MF Charles Gauche venceu o torneio, enfrentando 4 jogadores de Florianópolis (venceu Pomar, e empatou com Kaiser, Uczai e Umetsubo).

Tabela final bye Carlos Calleros

terça-feira, 9 de março de 2010

Final do Catarinense 2009 - parte 1

1/3 dos finalistas do Catarinense são do Clube de Xadrez de Florianópolis

Dos 18 finalistas que tomam parte da fase final do campeonato estadual, que começa amanhã, dia 10 de março, na cidade de Piratuba (SC), 06 são sócios ativos do Clube de Xadrez de Florianópolis, e quatros deles integrantes da equipe de Florianópolis dos Jogos Abertos de Santa Catarina. São eles: Marcelo Pomar, Daniel Brandão, César Umetsubo e João Pedro Uczai, além de Kaiser Luiz Mafra e Gilson Luis Chrestani.

Embora nenhum deles apareça como favorito para esta final, que corresponde ao ano de 2009, vale destacar o sólido trabalho que vem sendo desenvolvido nos últimos anos em torno do Clube e em parceria com a Fundação Municipal de Esportes, além de empresas privadas que apóiam a modalidade, como a rede de lojas Planetta.

Desde pelo menos 1986, Florianópolis não tinha participação tão expressiva na final.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Seção Fotos para a História: JASC 2009

Os Jogos Abertos de Santa Catarina é um conjunto de eventos especiais. A competição de xadrez é realizada por equipes, entre cidades, com 04 tabuleiros titulares e 02 reservas, como nas Olimpíadas de Xadrez. È uma oportunidade muito legal de defender o município em que você vive, atua, e desenvoilve o seu xadrez. Na maioria dos casos, porque muitas equipes contratam todos os jogadores, política controversa que, por um lado aumenta bastante o nível técnico do torneio, mas por outro lado prejudica uma medição da força real do xadrez de determinada cidade.


Equipe da chegada: Eliseu Martins, Pomar, João Perdo Uczai, Daniel Brandão e Jailson Melo. Na frente Thaune Medeiros, Danielly da Silva, Karoliny Cruz e Beatriz Sulzbacher Ramos.

Competições por equipe são muito diferentes das individuais, pelo menos pra mim. A responsabilidade é maior, existe um envolvimento com os demais colegas de equipe, e um sentimento de solidariedade pouco comum em torneios indiviuais.

Match 1: Lacerdópolis 1 x 3 Florianópolis. Detalhes: um pouquinho de experiência, igual um pouquinho de tranquilidade. Uczai com vontade de devorar o adversário e o Brandão no seu processo interno de concentração, parece que está dormindo.



Nos 49º Jogos Abertos de santa Catarina, em Chapecó, novembro de 2009, Florianópolis montou uma equipe vencedora. Não só pelo 4º lugar geral, entre 26 equipes, algumas delas recheadas de Mestres, mas pelas inúmeras dificuldades atravessadas ao longo da semana de competição.

Na véspera do embarque tive que ir ao IML reconhecer o corpo de um amigo, que partira. À memória de Giovani Moares, colega com quem morei no ano de 2003, e fiz o curso de História da Universidade de Santa Catarina, ofereço as melhores lembranças dessa viagem.

Ao longo da semana tivemos uma desistência, de um dos companheiros da equipe que não se encontrou em condições de encarar a guerra. Um dos nossos heróis teve extrema dificuldade de chegar a Chapecó, perdeu o ônibus e o celular. Outro deles precisou sair do grupo, numa retirada prevista anteriormente em virtude de provas finais, e outro teve uma semana conturbada com problemas sérios com o sono. Pra piorar a escola era assombrada por histórias sinistras de suicídios, e assassinatos.

 
Pode parecer que isso tudo é ruim, mas na realidade foi pior. Uma das nossas atletas do feminino desmaiou e teve que parar no pronto-socorro, e numa das rodadas eu cometi um erro na escalação prejudicando seriamente os confrontos.

Eu desolado ao enfretar o GM Fier, enquanto Uczai encarava o novo GM El Debs e Brandão contra Alessandro da Silva. Não bastasse enfretar uma equipe fortíssima, só com contratados, tomamos WO no primeiro tabuleiro por erro de escalação desse técnico que vos escreve. Mas, "o que não me mata, me fortalece", e a equipe encarou assim o confronto. Resultado: Floripa 0 x 4 Concórdia.  

Primeiro registro das meninas, contra Jaraguá do Sul. 3 x 1 Jaraguá, mas brilhante vitória da Thauane contra Jaqueline Panplona, ex-campeão brasileira Universitária.











Caçador 0 x 4 Florianópolis. Minha serenidade virou resignação, e o Uczai já não parecia com tanta fome. Brandão, mesmo processo....












Fome mesmo estava Jailson Melo, estreiando na competição. Vitória rápida e estimulante!


Tudo parecia caminhar para o desastre, depois de dois empates seguidos e difíceis contra Itajaí e Tubarão. No caso de Itajaí, depois de rápido 1 x 1, nos tabuleiros três e quatro, seguiu-se uma duríssima batalha de torres nos tabuleiros um e dois. Mais um 1 x 1. 


Equipe animada com a chegada de César Umetsubo, pronta para enfretar Itajaí.

 
   Match equilibrado: Florianópolis 2 x 2 Itajaí.

As meninas emplacaram seu melhor resultado: Brusque 0,5 x 3,5 Florianópolis. 

Outro match equilibrado: Tubarão 2 x 2 Florianópolis. Detalhe: Na equipe de tubarão vários jogadores de Florianópolis: Daniel Emendorfer no tabuleiro dois, Djalma Aguiar no três e Milton Braith no quatro, embora não apareça na foto.

Dalí pra frente uma grande surpresa estava preparada. Nossas noites não foram as melhores, e a galera do alojamento sabe disso. Mas seguimos fortes, e fomos presenteados com uma vitória histórica contra a fortíssima equipe de Joinville, formada pelo MI Disconzi, MF Renan Levy da Costa, Haroldo Cunha dos Santos, e MF Silvio Cunha. 3 x 1 com dois empates e duas vitórias.

Florianópolis 3 x 1 Joinville. Isso é difícil de transcrever, mas ao final do match o japonês davas peixinhos no carpete, como a seleção de volêi, e a alegria tomou conta da equipe. Aplicamos a zebra da competição.

Na última rodada foi só cumprir tabela contra Rio do Sul, e assegurar o belíssimo quarto lugar no masculino. Os capitães acordaram o empate e tregua foi selada. Os objetivos da guerra foram alcançados. O terceiro lugar já não era mais possivel, e nenhuma outra equipe fez 2 pontos em Rio do Sul: GM Diamant, MF Aranha, Rodrigo Terao e Guilherme Borges.



Rio do Sul 2 x 2 Florianópolis

Nossa equipe no feminino encontrou muitas dificuldades, mas era uma equipe jovem, cujo principal objetivo era a experiência, e isso foi alcançado. Além disso, Thauane Ferreira de Medeiros alcançou a medalha de ouro por desempenho individual no primeiro tabuleiro! Um excelente resultado.  

Esse registro fica em agradecimento aos nossos/as gloriosos/as atletas, verdadeiros/as guerreiros/as, ou como diz o Daniel Brandão: “brothers in arms”, que, independente do que vier pela frente, ajudaram a escrever um capítulo bonito da história do xadrez de Floripa, e da vida daqueles que participaram disso tudo.




domingo, 31 de janeiro de 2010

MI Matsuura vence o 4º Aberto de Verão de Florianópolis



Os dias quentes e ensolarados depois de uma semana nublada, somados às 42 praias de Florianópolis, foram duríssimos adversários para o conjunto de atividades promovidas pelo Clube de Xadrez de Florianópolis no último final de semana de janeiro de 2010. Mesmo assim, dezenas dos melhores e mais entusiasmados enxadristas de Florianópolis prestigiaram a 1ª Etapa do Blitz 2010, sexta 29, o 4º Aberto de Verão de Florianópolis (válido pela primeira etapa do rápido).

Nosso convidado de honra, o MI Everaldo Matsuura venceu as duas competições, mas não sem percalços. No Blitz, depois de perder meio ponto como Bye ausente na primeira rodada, ainda sofreu uma derrota, numa london venenosa, para o “super-pingueiro” do CXF Rodrigo Ferreira da Silva. Na mesma competição, uma outra london deu trabalho ao mestre, desta vez jogada pelo César Umetsubo. Mas nessa ocasião Everaldo encontrou recursos suficientes para escapar da derrota e fazer o ponto inteiro. Venceu o torneio com 7,5/9, seguido por Geanfrancesco Pereira (Campeão Brasileiro Amador em 2009, e Juvenil Catarinense), e o próprio Rodrigo.

Ferreira, único a beliscar um ponto do MI Matsuura.
Minha participação no relâmpago foi sofrível. O torneio estava forte, é bem verdade, mas esperava um rendimento um pouco melhor do que os 50% obtidos. Mas faz parte, e espero poder nas próximas etapas me colocar na disputa pelo circuito. Destaco, além da vitória expressiva do Ferreira, a sólida participação do João Pedro Uczai, que aumentou ainda mais sua liderança no ranking de rating da modalidade (2236).

No Aberto Verão deu a lógica, com mais facilidade. Matsuura fez 6/6, sobrando pros outros 16 competidores a luta pelas demais posições. Assim ele entrou pra a seleta galeria de campeões do evento, que inclui GM Fier, André Furlan, Martim Afonso Palma de Haro e agora Matsuura. Nessa competição fiz partidas interessantes, sobretudo contra Kaiser Mafra, Malcolm Robinsom e Herbert Moraes, em que fiz os três pontos. Na partida contra o Claudionor Pirola, jogamos a mesma inglesa de quase sempre, que acabando numa estrutura Maroczy, em que eu normalmente fico um pouco inferior de pretas, mas sólido. Empatou. E o Pirola obteve uma grande resultado sendo vice-campeão com 4,5/6.

As duas doloridas foram contra João Pedro Uczai e Daniel Brandão, dois ex-alunos. Nos dois casos avaliei a posição como igualada. No primeiro caso eu tinha razão, e de tanta razão, esqueci que precisava jogar pra empatar. Não podia simplesmente deixar de jogar porque estava empatada, e depois de um ‘a3’ despretensioso, tomei um golpe tático decisivo. Na segunda partida, aí foi um erro de avaliação mesmo. Brandão esteve sempre melhor e conduziu muito bem o final produzido.

Resolvi analisar e dividir aqui a partida com Kaiser Mafra por algumas razões: Em primeiro lugar porque fazia um tempinho que eu não o vencia. Em segundo porque foi uma variação exótica da Ruy Lopéz, em que me vi em situação nova, e me guiei apenas por lances conceituais da RL, além do cálculo. Em terceiro porque eu venci, e queira inaugurar o blog com uma vitória, e em quarto porque não é toda hora que se vence um ex-campeão estadual absoluto e brasileiro de categorias:




Bueno, em primeiro lugar, acho que 6... b5 não é o melhor. Mas não chega a ser um erro. Melhor, ou mais comum, seria 6.... de4. Mas até aqui tudo tranquilo, e meu cavalo possui algumas boas casas no centro.

10. b4?! eu considero duvidoso, ou no mínimo otimista demais. Não é um lance de desenvolvimento, e acelera a ida do meu cavalo a 'e6'. Portanto, do ponto de vista dinâmico, não me parece que ajude muito o branco. E do ponto estratégico, debilita a diagonal a1-h8, evento que veio, no futuro, a facilitar minha defesa com o lance f5, neutralizando o ataque na ala do rei. Isso eu só vim perceber mais a frente, mas na intuição, eu já sabia que o lance não era bom. O detalhe é que era possivel defender o peão de b4. O simples a3 não me parece ruim. Mas o Kaisico queria a minha cabeça, acelerar tudo e dar mate. Segui frio, pensando: "não cometi nenhum pecado para ser tão duramente castigado. Vou comer esse peão!"

14. ... f5!? segura tudo! Agora fica clara a fraqueza na diagonal preta. Se capaturar na passante, a torre da a1 está sempre caindo, e agora a ausência do peão em 'b2' ficou evidedente.  Depois da retirada do Cavalo para g3 comecei a me sentir bem.

19. Cf5?? O erro decisivo. Compreensivo numa partida rápida. Mas a posição do rei branco não ficará melhor que a rei negro, e isso é decisivo nessa posição, sobretudo com a presença do par de bispos no tablero. Daí pra frente, considero que não conduzi da melhor maneira possível, mas suficiente para assegurar o ponto. Depois de 28.... Dd5+ eu não lembro exatamente a ordem dos lances e terminei a notação, mas o Kaiser abandonou alguns lances depois.

A partida não teve grande mérito estético, tem muitos erros e imprecisões, que devem ser atenuadas por ser uma partida rápida, mas pode ser uma contribuição humilde pras crianças que estão estudando Ruy Lopez. Risos!

Na domingueira, a Joaquina, Praia Mole, Barra da Lagoa, Canasvieiras, Campeche e Ponta das Canas nos venceram. Apenas 06 jogadores se increveram para a simultânea contra o Matsuura, que venceu todos. Mas na segunda as salas do CXF estavam novamente lotadas para a clínica oferecida pelo mestre.

Agradeço aqui ao Matsuura pela simpatia, disponibilidade, educação, responsabilidade, enfim, pela grande ajuda que ele deu no desenvolvimento do xadrez da capital catarinense. Agradeço também a todos aqueles que prestigiaram as atividades. O jornal Notícias do Dia cobriu quase todas elas, e espero que esse espaço em mídia possa se reverter em mais apóio para a prática desportiva do xadrez.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Grand Prix de Xadrez Pensado de Florianópolis 2010



Foi dada a largada para o Grand Prix de Xadrez de Florianópolis 2010! Um evento pioneiro que acontecerá ao longo do ano, e com um grupo muito interessante de jogadores. O atual campeão de Florianópolis e do Zonal Catarinense da CBX, Daniel Brandão (2049 FIDE), terá pela frente outros dois ex-campeões brasileiros de categorias: César Umetsubo (2094 FIDE) e Kaiser Luiz Mafra (2150 FIDE), também ex-campeão catarinense e de Florianópolis, por duas vezes. Da parte juvenil da tabela aparecem Marcus Vinícius Machado Alves (1758 CBX), Amanda Paul Dull (1780 CBX) e Beatriz Sulzbacher Ramos (1753 CBX), todos(as) jogadores das seleções de base de Florianópolis. O sempre presente e combativo Djalma Aguiar (1937 FIDE) e o veterano Alexandre da Costa Lima (1820 CBX) abrilhantam bastante a competição. Aparecem ainda na lista o campeão Amador de Florianópolis em 2009, Sidney Loyola de Sá (1800 CBX) e o estudioso médico-enxadrista Dr. Gilberto Sandin (1800 CBX). Completam o grupo o futuro historiador Claudionor Pirola (1894 CBX) e o historiador de diploma Marcelo Nascimeto Pomar (2164 FIDE), esse que vos escreve, e que pela primeira vez terá o gostinho de ser “favorito”, segundo o rating avaliado (o que eu acho uma besteira, diga-se de passagem), e que na realidade não se sente favorito em nada, absolutamente.


Trio de ferro que considero favorito ao torneio.... (Umetsubo, Brandão e Mafra)



O torneio será disputado no sistema schuring (todos contra todos), em turno e returno, e lembrará um pouco o Campeonato Brasileiro de Futebol. A vitória no match (02 partidas), resultará em 03 pontos na tabela, o empate 01 e derrota 0. O desempate será a soma normal dos pontos no xadrez, contado os resultados de cada partida (vitória 1, empate ½, e derrota 0). Ao final da competição o evento distribuirá três troféus, medalhas a todos os participantes e uma bolsa de R$1.008,00! a serem divididos entre os 4º primeiros colocados. Será, acima de tudo, uma grande batalha desportiva, e a oportunidade de produzirmos partidas interessantes para a História!

Na medida do possível analisarei algumas partidas neste espaço.